quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

A primeira viagem solo da Carol -NR






Ontem minha filha foi para o NR acampamentos  em comemoração ao final do  quinto ano,  uma formatura, um rito de passagem. São  noites foras, foi na quarta e volta na sexta. Parece pouco, mas é muito,,,, para nós mães.

É a primeira viagem solo dela, sua primeira aventura.
Eu já viajei e ela ficou, mas é diferente pois ela ficava em casa no porto seguro.
E como  fica o coração de mãe?

Apertado, com saudades, medo sim e porque não admitir, mas também inundada de orgulho, e alegria de ver aqueles olhinhos brilhando de felicidade.
Não posso impedir que minhas preocupações, medos a impeçam de dar esses vôos solos. Confio em deus e na educação que dei a ela e nela também, nos seus pensamentos e discernimentos.

Está é a primeira de muitas viagens que ainda virão.
Sei que essas memórias, essas experiências vividas nestes dias farão parte para sempre de suas lembranças, as histórias serão contadas pela sua vida inteira.
Estarei sempre ao lado dela para guia la, mas sei que ela já começa algumas caminhadas sozinha, é o curso da vida. Minha princesa cresceu e tenho muito orgulho da pessoa doce e generosa que é.

Foi uma delícia partilhar os momentos de pensar nos looks, fazer a mala, escolher a fantasia da festa ´e que trabalho. Ela quis ser a Rainha Má de Once Upon a Time. Eu viajei junto com ela na busca da fantasia, que adaptamos. Coloquei os acessórios bem característicos, o espelho e ainda arrumei um chaveirinho  da maçã mordida.  Ela ficou linda demais vocês poderão conferir nas fotos abaixo.

Fiz saquinhos  nomeando o que tinha dentro para  facilitar a vida dela lá.  Encomendei etiquetas para colocar em todas as coisas e tinha as etiquetas para roupa, só passar o ferro em cima e aderia na roupa, bem prático. Foi uma delícia compartilhar todos esses momentos  com ela.  Enfim  como é bom proporcionar essas memórias para ela.  













quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Estar no lugar do outro










Estar no lugar do outro

No mundo atual não exercitamos muito este papel de estar no lugar do outro, mas que tão necessário para uma convivência harmoniosa e com respeito.

Vamos a um exemplo do cotidiano, a relação motorista x pedestre.
Quando estamos no papel de pedestre, andando a pé pelas ruas desejamos que os motoristas nos respeitem na faixa de pedestre para atravessar, no sinal vermelho para transitarmos com segurança, que respeitem as calçadas, não estacionar nos lacais proibidos.

Mas e quando estamos na posição de motoristas? Como agimos?

Muitas vezes não paramos na faixa de pedestres, por pressa, distração ou sei lá o que, estacionamos em local proibido ou em calçadas dificultando a passagem de pedestres, ultrapassamos sinal vermelho pois estamos com pressa.

Tanto temos motoristas com pedestres folgados, que vivem no seu mundo egoísta onde o que importa são eles e nada mais.

E passamos isso para nossos filhos, pois eles sempre observam nossas ações e reações. De nada adianta a teoria se nossos exemplos são falhos.

Pois o exemplo é a maior experiência de aprendizado.
Aqui foi um exemplo corriqueiro do dia a dia, para entendermos melhor a importância de se colocar no lugar do outro, para ter um convívio melhor. É tão simples, traz tantos ganhos e é tão pouco praticado por nós.


Que tal  repensar e tentar mudar a situação. Só teremos ganhos com certeza. É um exercício diário.

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

A arte de dizer não








A arte de dizer não

Quando nos tornamos mãe fica mais difícil dizer não, principalmente aos filhos.
Temos medo de magoá-los, de frustrá-los, mas acabamos frustrando a nós mesmos.

Temos dificuldades de dizer não aos outros, mas extrema facilidade de dizer não a nós mesmos. Quando dizemos sim aos outros, muitas vezes estamos dizendo não a nós.

Quantas vezes cansamos em tentar cumprir a expectativa dos outros.

Não respondemos com medo de ferir o outro.
Engolimos inúmeros sapos em detrimento dos outros.

Esse ano me propus exercitar a arte de dizer não. O arte difícil essa.
Precisava ser eu  mesma, me aceitar e não me comparar a mais ninguém a não ser a eu mesma.

Ter firmeza e autoconfiança, e isto se adquire com o autoconhecimento e o tempo.
Ter medo de me expor, preocupada com o que os outros vão achar de mim , e se eu errar, falhar, se me perder.

Vencer o obstáculo de ser perfeita, de não ser boa o suficiente, de não merecer o sucesso.

Saber enxergar e discernir as críticas que vão te acrescentar algo, te fazer evoluir, das críticas por inveja, de que não tem o que fazer e está insatisfeito com própria vida e olha que tem muito disso de pessoas próximas a nós. Mas até descobrir isso, e descartar da sua vida, perceber que aquilo não pertence a você e sim aquela pessoa, vai um longo caminho e te machuca muitas vezes. Mas  estou aprendendo  a dizer não e me afastar desses casos.

Aprender a falar do que tenho propriedade e vivência, isso é uma extensão de mim  e me traz bem estar e confiança. Aprender que eu só preciso ser eu, não preciso ser o outro.

Tudo isso pode vir de resquícios de castrações na infância.
Então nós pais temos que nos policiar bastante, a autoconfiança é um exercício a ser praticado desde cedo . Saber dizer não realmente é uma arte, não precisamos pensar e agradar o outro o tempo todo. Quantas vezes nossos filhos tentam nos agradar o tempo todo, com medo de nos desapontar?

Então  viva a arte de dizer não.



sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Desafios de ser mãe







Desafios de mãe

“Ser mãe é padecer no paraíso”, sempre ouvi essa frase. Padecemos e renascemos na maternagem.

Ser mãe é algo a ser construído durante toda a vida.
Nascemos uma pessoa, e ao nos tornarmos mãe, vemos florescer, nascer, surgir um outro ser dentro de nós.
Quando nasce um filho, nasce uma mãe.

Descobertas, atrás de descobertas, dúvidas, medos, inseguranças, culpas, alegrias, tristezas, certezas e um amor imensurável, assim mesmo tudo junto e misturado num turbilhão de emoções.

Culpas e julgamentos que nos acompanharam a vida inteira que fazem parte do processo, só não podemos deixá las tomar conta de nossas almas e nos enfraquecer.
Ser mãe não tem certo, nem errado, não é uma verdade absoluta, não tem manual, e nem regras.

É subjetivo, é coração, cada uma faz o que acha melhor, o que é possível, o que ela sabe e tem condições de fazer.
É uma paleta de possibilidades e oportunidades.

É a mais linda forma de crescimento e amadurecimento. Errando, caindo, acertando, aprendendo sempre em busca do melhor.

Não troco esse papel de mãe por nada nesse mundo. É minha fonte de inspiração, de libertação e crescimento.

Ao ser mãe vivo em constante descoberta no universo do autoconhecimento e a cada fase da minha filha, surge uma nova faceta de mãe dentro de mim, que algo fascinante isso, que ganho, que experiência.

Claro que não é algo fácil,  rápido e instantâneo.
Sofro, me sinto culpado, acho que não dou conta das coisas, mas depois da tempestade sempre vem o céu claro, e conseguimos enxergar  tudo com mais calma e claro. Tudo tem seu tempo e um propósito, um ganho.

Aprender a se livrar do julgamento alheio é um grande exercício. Com certeza temos que praticar isso, se desvencilhar da expectativa e julgamento alheio, ser feliz  com nossa imperfeição, isso sim é a perfeição,,,a nossa aceitação.

Então encare feliz e com leveza seu papel de mãe e todas as fases que seus filhos irão passar. Saiba enxergar os ganhos e aprendizados, e não foque somente nas turbulências e perdas que são naturais.

Ser mãe é um processo contínuo , infinito de amor, descobertas e aprendizados.


quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Dica de Livro - Vamos Pensar um Pouco?









SINOPSEOs autores afirmam instigar e estimular o pensamento é nobre, ainda mais nos tempos atuais. 
Vamos pensar um pouco? Dá para notar que esse é convite muito diferente de Vamos pensar pouco? ... Esse um faz toda a diferença! 
Na vida cada um faz toda a diferença mas não basta ser apenas um; pensamos melhor quando pensamos em turma, e, melhor ainda, acompanhados da Turma da Mônica, que nos anima a pensarmos mais, com persistência e alegria, com generosidade e liberdade, com inventividade e criatividade. 
Esse é o principal motivo que juntou o desenhista (como o nosso genial Mauricio gosta de ser chamado), pai da turma, e o filósofo (Cortella), fã da turma, fazendo com que a arte da ilustração e arte da filosofia se encontrem para dialogar com quem acolhe esse convite.



Um livro com as ilustrações de Maurício de Souza e textos reflexivos com intuito de estimular a reflexão de uma forma leve e divertida.

É um livro para se ter e reler várias vezes e em várias fases das crianças e adultos também..  Acho que é um livro para crianças de  10 anos em diante. Pois em alguns textos há uma linguagem não muito infantil. Mas com certeza um livro que visa abrir a mente das crianças para a reflexão e questionamento das coisas, do cotidiano, que realmente abre a mente para o pensamento.

O livro é composto de 35 lições que nos levam a viajar pelos pensamentos.
 Como mesmo dia o Cortella sobre o título do livro Vamos pensar um pouco? É bem diferente de vamos pensar pouco? .

As lições abordam temas variados sobre medo, liberdade, ética, brincadeira,,etc,, e com as ilustrações do Maurício de Souza fica mais divertido e fácil absorver o conteúdo.

Gosto muito do pensamento do Cortella, as colocações que ele faz sobre a vida nos seus vários aspectos, já tenho alguns livros dele, e tive a oportunidade de assistir uma palestra dele, onde fique encantada com a desenvoltura e facilidade de expor seus pensamentos, e nos fazer refletir.
Já li junto com minha filha, ela adorou e realmente começou a refletir.

Ela falava assim ,,,, mãe nunca tinha pensado sobre isso ou sobre este ângulo,,,que coisa legal.Bem só isso já vale a leitura



segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Primeira Comunhão da Carol. - Decoração



No fim de semana que passou, sábado 18/11/17 foi a primeira comunhão da minha filhota.
Momento único e abençoado, muito aguardado.
Hora de receber jesus dentro de seu coraçãozinho.
Que a eucaristia seja sempre um sagrado alimento que fortaleça sua fé.
Que você trilhe o caminho do bem, da fé, amor ao próximo, respeito e gratidão.
Saiba que Deus estará  contigo na sua vida sempre. Ele guiará seus passos, e iluminará seu caminho e te protegerá, conte com Ele hoje e  para todo o sempre.
Abaixo vou compartilhar a decoração da comemoração da primeira comunhão dela.
Tem a mesa do bolo e doces que ficou fofa demais, e as lembrancinhas  que eu amei.
Preparei tudo com muito amor e carinho para celebrar esta data especial.

Aqui foi o topo do bolo, coisa mais linda e criativa. É de acrílico, vem o nome dela, e a hóstia consagrada. Encomendei no site elo 7  https://www.elo7.com.br/topo-de-bolo-em-acrilico-para-primeira-eucaristia/dp/A5707E
A vendedora super atenciosa, produto veio rápido e lindo de morrer.





 Seguem as lembrancinhas,  comprei essa caixinha muito delicada numa loja de festas aqui em São José,,a @cataventofest   e coloquei dentro da caixinha balinhas de côco dentro de um saquinho de organza.



Depois teve um sachê com medalhinha da primeira comunhão, que fiquei apaixonada, encomendei também no site elo 7 https://www.elo7.com.br/sache-medalha-primeira-eucaristia/dp/923D29

 Chegou no prazo, super lindo e vendedora atenciosa.



E teve as mini garrafinhas com água benta, e mini tercinho com rótulo personalizado, e coloquei dentro de um saquinho de organza.



E o clássico santinho de lembrança de primeira comunhão...lindo



Teve esse mini vasinho decorado com a chuva de prata. Colei adesivo da primeira comunhão e um lacinho branco, inventei esse de última hora, as 45 do 2º tempo,,rss Ele ficou na mesa dos convidados, fizemos um almoço de comemoração.





Agora vem a mesa do bolo e docinhos. Confesso que fiquei apaixonada, pelos doces personalizados da @katianegrelli .Que beleza e gostosura ao mesmo tempo. Quanta delicadeza, quanto sabor. E amei o bolo também da Nely Buffet que ficou lindo e delicioso.









sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Dicas de Dubai - parte 2







Continuando as dicas de 1 dia em Dubai, quem quiser ver a parte 1 das dicas clique aqui.
Depois de ver o hotel 7 estrelas Burj Al Arab, voltamos rapidinho para o hotel, para dar uma breve descansada. Queria muito conhecer os souks que são os mercados de ouro, tecidos, especiarias, como como era sexta feira, os souks só abririam as 16,30 hs.
São vários souks, visitei somente 2, os que tinham especiarias, pois queríamos muito ver os temperos, mas por lá também tinham algumas roupas, tecidos, sapatos etc,,, Mas estava meio vazio e alguns lugares fechados. Compramos alguns temperos, e trouxe 2 batas para mim. Confesso que quando vi o filme Sexy anda City 2 e vi a Carrie Bradshaw comprando sapatos nos souks (de Abul Dab que fica ao lado de Dubai) , aqueles iguais de aladim, sonhava o dia que iria lá e comprar um também. Mas quando lá cheguei e fui experimentar os tais sapatinhos, me decepcionei, pois não eram nada confortáveis,então não comprei. Mas matei a vontade de conhecer e experimentar o sapatinho estilo aladim kkkk. E logo depois fomos ao souk de ouro. Pessoal quanta ostentação, uma rua só de ouro, os mais lindos e extravagantes possíveis.



















Continuando dicas sobre meu dia em Dubai...tem as dicas parte 1 que quiser veja aqui
 Depois de ver o  único hotel sete estrelas no mundo o Burj Al Arab, voltamos para o shopping para dar uma andada melhor , comer e aguardar o show das águas.
Andando por lá nos deparamos com um aquário enorme dentro do shopping Dubai Mall, isso mesmo gente um aquário dentro do shopping, em Dubai você encontrará coisas bem inusitadas. E poderia entrar no aquário junto com  um mergulhador de lá...






Jantamos no shoping  na Chessecake Factory  que sempre adoramos, fora que tem aquelas tortas maravilhosas.








 E para fechar o dia com chave de ouro, vimos a dança das águas de Dubai. Já tinha visto a de Las Vegas, veja aqui. Mas adorei a de Dubai, ouvi dizer que foi a mesma empresa que fez a De Las Vegas , fez a de Dubai também. Achei a de  Dubai maior. É sempre um show a parte da dança das águas.